O mundo jurídico está enlutado. Morre em Niterói o conceituado advogado Paulo Figueiredo, com sintomas de coronavírus

A OAB Niterói comunica com profundo pesar o falecimento do querido e respeitado advogado Paulo Figueiredo. Além do luto pela perda de um ser humano, infelizmente, quis o destino que a primeira morte na cidade com suspeita de coronavírus fosse um advogado, que merecia todo o respeito e admiração do mundo jurídico niteroiense.

Com 69 anos, Paulo Alberto Antunes de Figueiredo estava internado no Hospital Icaraí desde domingo, dia 15, vindo a falecer na noite desta terça-feira, dia 17. O paciente era hipertenso e diabético e chegou ao hospital apresentando um quadro gripal. Ainda não se tem notícias sobe velório. O corpo só será liberado pelo hospital após a confirmação da causa mortis.

O exame de sangue do advogado, feito no hospital, somente deverá ter o resultado conhecido na quinta-feira, dia 19. Sua esposa, Isabel Fernandez, que é coordenadora pedagógica, também está internada, mas seu estado é estável. Paulo Figueiredo deixa os filhos, André e Flávia Figueiredo, ambos advogados e frutos de seu primeiro casamento, com Mariléa Torres, advogada aposentada.

O presidente da OAB Niterói, Claudio Vianna, lamentou a grande perda para a advocacia:

"Lamentamos o falecimento do advogado e amigo que muito contribuiu para o Mundo Jurídico. Nos solidarizamos com a família neste momento difícil", declarou.

Colegas e amigos também fizeram questão de prestar condolências à família:

"A advocacia de Niterói está de luto. Faleceu ontem à noite um expoente da nossa classe, dr. Paulo Figueiredo. Profissional ético e de grande conhecimento jurídico. Querido no meio jurídico e desportista (jogava basquete) no Country Club Pendotiba. Deixará saudades. Seu filho André, também advogado, terá a missão de seguir com a brilhante trajetória de seu pai", exaltou Fernando Praxedes, presidente da Comissão de Defesa, Assistência e Prerrogativas da OAB Niterói.

"O dr. Paulo Figueiredo, Paulinho para os amigos, era uma pessoa maravilhosa e de bem com a vida, sempre sorrindo. Colega ético, amigo fiel. De vida ilibada. Uma grande perda para o mundo jurídico, para Niterói e para todos que o conheceram pessoalmente", declarou José Henrique Macena da Silva, presidente da Comissão de Previdência e Assistência Social da OAB Niterói.

"Convivi com Paulo Figueiredo desde 1986, durante 27 anos, desde a minha Faculdade de Direito! Meu amigo, meu professor 'particular' de Direito e de Vida! Formamos uma grande dupla profissional, desfeita em 2013/2014 por desígnios da vida. Passamos muitos momentos juntos, ele era padrinho do meu filho mais novo. Vi seus filhos crescerem e se tornarem advogados também, André e Flávia Figueiredo e essa notícia me deixou muito abalado! Que a morte do Paulo, apesar do grande abalo, sirva de alerta para todos nós! Nunca imaginei que isso pudesse acontecer com uma pessoa tão próxima! O coronavírus não escolhe classes, ele mata! Que Deus o proteja e o receba com muita luz!", exaltou o advogado Ângelo Hippertt, colega de trabalho e amigo de Paulo Figueiredo.

Nota do Hospital Icaraí:

Boletim médico emitido pelo Hospital Icaraí informa que o óbito se deu devido a um choque séptico e pneumonia:

"O paciente, um homem de 69 anos, possuía história epidemiológica para o COVID-19 (o enteado, que não foi atendido pelo Hospital Icaraí, veio de Nova Iorque, EUA, com teste positivo), com quadro iniciado no dia 11 de março de 2020. O paciente, além da idade, possuía comorbidades que o colocaram no grupo de risco.

O quadro do paciente evoluiu com insuficiência respiratória aguda, sendo imediatamente submetido à entubação orotraqueal e colocado em ventilação mecânica. Ele veio a óbito às 19 horas e 08 minutos desta terça-feira, 17.

O Hospital Icaraí segue todos os protocolos recomendados pelo Ministério da Saúde e Vigilância Sanitária. Nosso compromisso é com o bem-estar da população e de quem necessita dos nossos serviços. Prezamos pelo cumprimento de nossos valores e de nossa missão: salvar e preservar vidas."