OAB Niterói online
Notícias
TJGO - Homem que não provou que incêndio ocorreu por defeito de fábrica não consegue indenização

TJGO - Homem que não provou que incêndio em veículo ocorreu por defeito de fábrica não consegue indenização

 

Em decisão unânime, a 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), seguiu voto do relator, desembargador Norival Santomé, e negou indenização por danos morais a G.. Ele queria ser indenizado pela Ford Motor Company Brasil Ltda. porque o motor do carro dele pegou fogo, enquanto ele dirigia o veículo na BR-060, em Rio Verde, quando viajava para o seu casamento, que seria realizado no dia seguinte, em Itumbiara. Porém, ele não acionou, na ocasião, a concessionária que vendeu o carro e nem o levou à mecância autorizada da empresa.

Em primeira instância, o juízo da comarca de Itumbiara já havia negado indenização a G. por entender que não ficou provado nos autos que o incêndio ocorreu por culpa da fabricante, a Ford. O relator seguiu o mesmo entendimento do magistrado de primeiro grau e manteve a sentença.

Quando ocorreu o incêndio, o carro de G. já estava com 50 mil quilômetros rodados e um ano e oito meses de uso. Mesmo assim, ele ajuzou ação na comarca de Itumbiara requerendo indenização por danos morais alegando que já havia alertado os mecânicos da fabricante, na última revisão, 52 dias antes do acidente, de que o carro estava com barrulho incomum no escapamento e acendendo a luz da injeção eletrônica.

Em sua defesa, a Ford apresentou contestação argumentando que não houve qualquer vício de fábrica no carro que necessitasse de reparo ou ainda que pudesse ocasionar tal incêndio. Quanto a alegação de G. sobre ter alertado os mecânicos na última revisão, a concessionária asseverou que foi feita 52 dias antes do acidente e, na ocasião, foi realizada apenas as trocas de óleo e de pastilhas de freio.

O juízo de primeiro grau sustenou em sua decisão que o incêndio ocorreu muito tempo depois de o requerente ter adquirido o carro na concessionária e que o próprio G. se contradiz ao confessar ao perito sobre um vazamento de fluido no motor. O fato teria acontecido antes do acidente e não foi informado aos mecânicos na época da revisão.

Inconformado, ele recorreu da decisão de primeiro grau requerendo reforma da sentença para que fosse concedido indenização por danos moriais.

Ao analisar o caso, Norival Santomé  salientou que a simples afirmação de que o incêndio provém de um defeito de fabricação não basta para que reste configurado o dever de indenizar, pois um incêndio veicular pode ocorrer por diversas causas.

O magistrado ponderou ainda que a prova pericial produzida apontou para inexistência de defeitos de fábrica, não restando consolidada a imputação do dano à fabricante do bem, por isso, segundo disse, a decisão de primeiro grau não merece ser reformada.

Fonte: Tribunal de Justiça do Estado de Goiás



back

:: Mais Noticias
  •  (09-01-2018) - OAB Niterói assina nesta quinta-feira, dia 11, convênio com clínica médica para consultas a R$ 60
  •  (09-01-2018) - OAB Niterói realiza primeira entrega de carteiras a novos advogados e estagiários de Direito dia 11
  •  (19-12-2017) - Feliz Natal e um 2018 de alegrias!
  •  (19-12-2017) - OAB Niterói suspenderá rede de informação até 20 de janeiro, acompanhando as férias dos advogados
  •  (19-12-2017) - OAB Niterói estará em recesso de 20 de dezembro a 7 de janeiro para as festas de fim de ano
  •  (19-12-2017) - Turma de Direito da UFF de 1967 comemora Jubileu de Ouro de formatura no dia 19 de janeiro
  •  (18-12-2017) - TRT3 - Aumento jornada em readaptação acompanhada aumento salarial não representa alteração lesiva
  •  (18-12-2017) - STJ - Tribunal edita seis novas súmulas
  •  (18-12-2017) - STF - Tribunal inicia julgamento de ações sobre o novo Código Florestal
  •  (18-12-2017) - CJF - TNU cancela enunciado da Súmula nº 51
  •  (18-12-2017) - TNU - Certidão é essencial para contagem de tempo trabalhado
  •  (18-12-2017) - Ementário de Jurisprudência Cível Nº 32/2017 do TJRJ
  •  (15-12-2017) - STJ - Reconhecimento de união estável com pessoa casada não pode dispensar citação do cônjuge
  •  (15-12-2017) - STJ - Primeira Turma nega acesso de município a informações individualizadas colhidas pelo IBGE
  •  (15-12-2017) - TST - Empresa pagará equivalente a seguro-desemprego porque fez três cadastros de PIS de empregado
  •  (15-12-2017) - STJ - O sonho da maternidade às portas
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Insuficiência da penhora não é causa para a extinção dos embargos do devedor
  •  (14-12-2017) - TJAL - Nova lei facilita processo de adoção de crianças; saiba o que mudou
  •  (14-12-2017) - TRT13 - O direito e o Trabalho
  •  (14-12-2017) - CNJ: Modernizar cartórios é inadiável, diz Noronha aos corregedores
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Crédito tributário declarado e não honrado no seu vencimento pode ser inscrito imediatamente
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Tribunal mantém sentença que afasta a Taxa de Saúde Suplementar
  •  (14-12-2017) - TJPB - Acusado de abandono material por falta de pagamento de pensão alimentícia tem apelo negado
  •  (14-12-2017) - Informativo STF