OAB Niterói online
Notícias
TJMT - Seguro é isento de indenizar contrato não vigente

TJMT - Seguro é isento de indenizar contrato não vigente


 
O contrato de seguro de veículo não se renova automaticamente, sendo necessário, ao fim de cada período (ano), nova manifestação de vontade das partes, a fim de que novo contrato seja celebrado, em novas condições e prazos estabelecidos. Além disso, a ausência de pagamento da primeira parcela do prêmio impede a vigência desse novo contrato. Esse foi o entendimento da Terceira Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, que não acolheu recurso interposto por um ex-cliente em face da Mapfre Seguros Gerais S.A.
 
Conforme a câmara julgadora, se a apólice prevê o cancelamento automático do contrato em caso de falta de pagamento da primeira parcela do prêmio e o sinistro ocorreu após o contrato ter sido cancelado, nenhuma obrigação tem a seguradora de indenizar o segurado (Apelação nº 21277/2017).
 
O recurso foi interposto pelo apelante visando reforma da sentença proferida pelo Juízo da Segunda Vara da Comarca de Nova Mutum, que julgou improcedentes os pedidos iniciais e condenou o autor ao pagamento das custas processuais e dos honorários do advogado, estes no equivalente a 10% do valor atualizado da causa.
 
No recurso, o recorrente sustentou a necessidade de reforma da sentença, ao argumento de que a inexistência de prévia notificação do devedor afastaria a constituição em mora e impossibilitaria a rescisão unilateral do contrato. Postulou o provimento do recurso para condenar a empresa apelada ao pagamento de indenização no valor da apólice contratada, bem como à reparação moral no valor de R$10 mil pelos danos extrapatrimoniais suportados indevidamente.
 
Extrai-se dos autos que o recorrente teria renovado junto à recorrida o seguro de seu veículo, com nova vigência compreendida entre 30 de abril de 2012 e 30 de abril de 2013, mediante o pagamento de 10 parcelas de R$ 122,75 em débito automático na conta bancária do autor. Em 29 de junho de 2012 o recorrente sofreu acidente de trânsito e necessitou do auxílio de guincho, além de ter sofrido lesões físicas, na cidade de Tangará da Serra(MT), porém, a seguradora teria se recusado a cobrir o valor dos danos, em virtude de o contrato de seguro ter sido cancelado pelo não pagamento da primeira parcela referente ao prêmio.
 
Em seu voto, o relator do recurso, desembargador Dirceu dos Santos, explicou que o Superior Tribunal de Justiça é invariável no sentindo de haver a possibilidade de cancelamento unilateral do seguro para os casos de inadimplemento de prestações mensais, desde que a parte inadimplente tenha sido notificada previamente pela seguradora, a fim de constituir-se efetivamente em mora.
 
“In casu o segurado/recorrente sequer pagou a primeira parcela relativa ao prêmio, o que impede o reconhecimento de qualquer vigência do contrato, mormente se considerada a cláusula que previa que “O não pagamento da primeira parcela, ou da parcela única, implicará no cancelamento da apólice, desde o início da vigência”. Portanto, o contrato de seguro não chegou a ter vigência iniciada para a cobertura, haja vista que a ausência de saldo na conta bancária do recorrente prejudicou o início da relação entre as partes”.
 
Participaram do julgamento os desembargadores Serly Marcondes Alves (primeira vogal convocada) e Carlos Alberto Alves da Rocha (segundo vogal). A decisão foi unânime.

Fonte: TJMT



back

:: Mais Noticias
  •  (09-01-2018) - OAB Niterói assina nesta quinta-feira, dia 11, convênio com clínica médica para consultas a R$ 60
  •  (09-01-2018) - OAB Niterói realiza primeira entrega de carteiras a novos advogados e estagiários de Direito dia 11
  •  (19-12-2017) - Feliz Natal e um 2018 de alegrias!
  •  (19-12-2017) - OAB Niterói suspenderá rede de informação até 20 de janeiro, acompanhando as férias dos advogados
  •  (19-12-2017) - OAB Niterói estará em recesso de 20 de dezembro a 7 de janeiro para as festas de fim de ano
  •  (19-12-2017) - Turma de Direito da UFF de 1967 comemora Jubileu de Ouro de formatura no dia 19 de janeiro
  •  (18-12-2017) - TRT3 - Aumento jornada em readaptação acompanhada aumento salarial não representa alteração lesiva
  •  (18-12-2017) - STJ - Tribunal edita seis novas súmulas
  •  (18-12-2017) - STF - Tribunal inicia julgamento de ações sobre o novo Código Florestal
  •  (18-12-2017) - CJF - TNU cancela enunciado da Súmula nº 51
  •  (18-12-2017) - TNU - Certidão é essencial para contagem de tempo trabalhado
  •  (18-12-2017) - Ementário de Jurisprudência Cível Nº 32/2017 do TJRJ
  •  (15-12-2017) - STJ - Reconhecimento de união estável com pessoa casada não pode dispensar citação do cônjuge
  •  (15-12-2017) - STJ - Primeira Turma nega acesso de município a informações individualizadas colhidas pelo IBGE
  •  (15-12-2017) - TST - Empresa pagará equivalente a seguro-desemprego porque fez três cadastros de PIS de empregado
  •  (15-12-2017) - STJ - O sonho da maternidade às portas
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Insuficiência da penhora não é causa para a extinção dos embargos do devedor
  •  (14-12-2017) - TJAL - Nova lei facilita processo de adoção de crianças; saiba o que mudou
  •  (14-12-2017) - TRT13 - O direito e o Trabalho
  •  (14-12-2017) - CNJ: Modernizar cartórios é inadiável, diz Noronha aos corregedores
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Crédito tributário declarado e não honrado no seu vencimento pode ser inscrito imediatamente
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Tribunal mantém sentença que afasta a Taxa de Saúde Suplementar
  •  (14-12-2017) - TJPB - Acusado de abandono material por falta de pagamento de pensão alimentícia tem apelo negado
  •  (14-12-2017) - Informativo STF