OAB Niterói online
Notícias
TRT3 - Juiz condena sindicato a pagar de honorários de sucumbência e multa por litigância de má-fé

TRT3 - Juiz condena sindicato a pagamento de honorários de sucumbência e multa por litigância de má-fé


Ao analisar uma ação coletiva ajuizada por um sindicato contra uma empresa de combustíveis e derivados de petróleo, o juiz Marcel Lopes Machado, na titularidade da Vara do Trabalho de Ituiutaba, julgou improcedentes todos os pedidos feitos e condenou o sindicato autor ao pagamento dos honorários advocatícios de sucumbência de 20% sobre o valor da causa (R$10 mil), além de aplicar sanção pedagógica por litigância de má-fé, equivalente a 3% do valor da causa (R$1.500,00). Por fim, determinou o pagamento das custas processuais, no valor de R$1 mil.
 
A razão de tudo isso? É que o sindicato elencou uma lista com mais de 75 pedidos, todos fundados em alegações genéricas e abstratas de violações a leis, a normas coletivas e a normas regulamentares do MTE, sem apontar, objetivamente, uma única situação de violação em concreto e sem trazer ao processo uma única e elementar prova das suas alegações de desrespeito a normas trabalhistas e da prática de dumping social. Além do mais, impugnava genericamente todos os documentos apresentados pela defesa.
 
Na sentença, o julgador observou que a defesa apresentou diversos documentos: recibos salariais, RAIS, documentos do INSS, cartões de ponto, recolhimentos de FGTS/INSS, notas fiscais de EPIS, apólice de seguro de vida, exames médicos admissionais/demissionais etc. E o sindicato apenas alegou a ilegibilidade de documentos e ausência de recibos específicos. Cenário este que, no entanto, foi afastado pelo procurador da empresa que prestou declaração no balcão da Vara de legibilidade e autenticidade dos documentos, sob as penas da lei. Numa segunda oportunidade, o sindicato manifestou-se de forma “demasiadamente genérica”, nos dizeres do juiz, sem apontar, ainda que por amostragem, quais as alegadas violações às normas de direito material do trabalho que imputou à empresa.
 
“Não se sustenta a alegação genérica e abstrata de ilegalidade de apresentação dos documentos”, frisou a sentença. Conforme pontuado, o sindicato não apresentou uma única indicação de violação às normas de direito material sobre os documentos relacionados ao PPRA, PCMSO, LTACT, exames médicos admissionais/demissionais. Não demonstrou um único caso das hipóteses de acidente de trabalho e/ou doenças ocupacional/profissional do trabalho (artigos 19 e 20 da Lei 8.213/91) sem a correspondente emissão de CAT pela reclamada (artigos 22 da Lei 8.213/91). Neste aspecto, o juiz lembrou que o próprio sindicato reclamante teria esse dever legal diante da ocorrência de acidente teria apresentado a CAT. Ao caso, foi aplicado o artigo 22, parágrafo 2º da Lei 8.213/91.
 
Prosseguindo, ponderou que também não foi apresentada prova e/ou indício da alegada irregularidade de emissão dos PPPs pela reclamada (artigos 58 da Lei 8.213/91 e 68 do Decreto 3.048/99), nem fotografia (documento de fácil obtenção, artigo 375/CPC, segundo o juiz), a demonstrar a alegação genérica de que as bombas de combustíveis não possuem proteção contra respingos, e de que existiram irregularidades nas áreas de sanitários e de vivência.
 
Foi mencionado ainda o fato de o sindicato não ter apresentado cópia de eventual procedimento de fiscalização/atuação da DRT/MTE (artigos 156, 161 e 201, 626 a 634/CLT) e/ou, sequer uma denúncia da própria entidade sindical ao órgão de fiscalização das relações de trabalho, postulando sua atuação (dever legal atribuído à entidade sindical, artigos 8º, III/CR e 513, “a” e “d”/CLT).
 
Citando outra decisão idêntica contra a mesma empresa, ele acresceu a observação de que não foi trazido um único indício de trabalhador acidentado, vítima de doença ocupacional e/ou contaminado em tese pelos derivados de hidrocarbonetos, bem como, não há um único atestado médico (particular/privado) a demonstrar estas situações, a justificar todas as alegações (em tese e abstratas) de violação patronal às normas de proteção à saúde e integridade física dos alegados trabalhadores substituídos.
 
Portanto, a conclusão do magistrado foi de que a entidade sindical apresentou uma ação coletiva, sem um único indício ou documento (inclusive, os de natureza comum às partes, artigo 399, III/CPC, como recibos salariais de substituídos, artigo 464/CLT), a demonstrar as alegadas violações (todas em abstrato e genéricas). “Ao contrário da abstratividade e da generalidade da LEI e dos atos normativos, a tutela jurisdicional não pode ser concedida (seja em tutelas condenatórias, seja cominatórias, seja executivas “lato sensu”, seja mandamentais) em abstrato e genericamente, porque o pressuposto lógico do exercício do inalienável direito constitucional de ação (artigo 5º, XXXV/CR) é o dano/lesão e/ou sua ameaça. Portanto, a tutela jurisdicional a ser concedida deve ser concreta e específica, o que se mostra impossível neste caso, diante de todos os fundamentos anteriores”, pontuou o juiz.
 
Com base nesse contexto, foram julgadas improcedentes as pretensões indenizatórias, por ausência de prova dos alegados danos de natureza coletiva (dumping social) e/ou de natureza ambiental, a caracterizar violação coletiva e reiterada aos direitos imateriais da dignidade ou personalidade profissional dos trabalhadores substituídos.
 
No caso, houve negativa de benefícios da justiça gratuita ao sindicato, explicando o magistrado que se aplicam exclusivamente a favor dos trabalhadores, que se declaram em estado de hipossuficiência jurídica (artigo 790, parágrafo 3º/CLT), e não às pessoas jurídicas de natureza privada, que não se enquadram nas exceções do artigo 790-A/CLT. No caso, não foi demonstrada a alegada dificuldade financeira.
 
A decisão condenou o sindicato nos honorários advocatícios pela mera sucumbência, no percentual de 20% incidente sobre o valor da causa. O valor foi equivalente a R$10 mil, a favor da empresa.
 
Dever de ética e lealdade processual - “Cumpre às partes atentar para o verdadeiro sentido ético de acesso ao Poder Judiciário, expor os fatos em juízo conforme a verdade, artigos 77, I e 80, II/CPC, não deduzir pretensões e incidentes manifestamente infundados e desvirtuados dos princípios da probidade, boa fé e lealdade processuais, artigos 5º e 80, IV, V e VI/CPC, visando o real sentido de acesso e obtenção da tutela jurisdicional, artigo 5º, XXXV e LXXVIII/CR, e não, desvirtuá-la com objetivo ilegal, artigo 80, III/CPC”, alertou na sentença reiterando que as partes devem observar os deveres processuais.
 
A decisão destacou ainda que as partes devem ter a consciência de que o processo é instrumento público de efetivação dos direitos da cidadania, devendo se pautar pela ética, lealdade, probidade e demais deveres processuais legais e imperativos (artigos 77 e 80/CPC). Caso contrário, se caracterizará conduta abusiva e lesiva àquele direito constitucional de ação, artigo 187/CC, mas também atentado à própria autoridade, efetividade, credibilidade e dignidade do Poder Judiciário.
 
O juiz também lembrou que é dever do Poder Judiciário, como maior interessado na solução dos conflitos, artigos 5º, LXXVIII/CR, 139, II/CPC e 765/CLT, reprimir, através dos mecanismos legais existentes (artigos 652, “d” e “f”/CLT e artigos 81 e 139, III/CPC), toda e qualquer conduta contrária boa fé, probidade e lealdade processuais, e, portanto, violadora destes deveres processuais (artigos 77 e 80/CPC). Isto porque, conforme registrou, a efetividade da tutela jurisdicional e a razoável duração do processo, como garantias constitucionais do jurisdicionado, são direitos inalienáveis não só do autor, mas também de sua parte adversa, e, mais do que isto, é um dever de todos relativo à sã administração da Justiça, artigo 6º/CPC.
 
Diante de todas as considerações apresentadas, o magistrado considerou grave e irresponsável a conduta do sindicato ao propor uma demanda de natureza coletiva da forma apresentada, decidindo aplicar, “a título pedagógico”, artigos 653, “f” e 139, III/CPC, a sanção por litigância de má-fé, artigos 652, “d”/CLT e 81/CPC, equivalente a 3% do valor da causa (R$1.500,00). O sindicato também foi condenado ao pagamento das custas processuais, artigo 789, II/CLT (R$1.000,00).
 
Posteriormente, foi apresentado acordo, dispondo o julgador que seria apreciado oportunamente, após o trânsito em julgado. O juiz negou seguimento ao Recurso Ordinário do sindicato, por ausência do depósito recursal. Como o sindicato entrou com Agravo de Instrumento, os autos foram remetidos ao TRT-MG.
Processo PJe: 0010544-87.2016.5.03.0063 (AIRO) — Sentença em 10/02/2017

Fonte: TRT3



back

:: Mais Noticias
  •  (20-10-2017) - TST-Empregada da extinta Nossa Caixa demitida antes de eleições municipais tem estabilidade
  •  (20-10-2017) - STF - Deputados questionam retirada de emendas da Câmara em projeto de lei de conversão
  •  (20-10-2017) - STJ - Seminário sobre desjudicialização debate dez anos dos atos delegados aos cartórios
  •  (20-10-2017) - STJ -Informativo de Jurisprudência destaca repasse de custos com cobrança do consumidor inadimplente
  •  (19-10-2017) - Presidente da OAB Rio Bonito será paraninfo da turma de novos advogados e estagiários, dia 26
  •  (19-10-2017) - OAB Niterói encerra 'Outubro Rosa’ com palestra sobre ‘Direitos das mulheres portadoras de câncer’
  •  (19-10-2017) - ESA Niterói abre inscrição em novembro com dois cursos gratuitos e outros dois pagos
  •  (19-10-2017) - TRF1 - ICMS deve incidir sobre o valor da energia elétrica efetivamente consumida
  •  (19-10-2017) - TRT6 - Justiça gratuita pode ser deferida também a empregador pessoa física
  •  (19-10-2017) - STJ aumenta em cem salários mínimos indenização por fotos íntimas divulgadas na internet
  •  (19-10-2017) - TRF1 - Motorista que dirige alcoolizado pode ser autuado mesmo sem ter realizado teste do bafômetro
  •  (19-10-2017) - TRT10 mantém responsabilidade subsidiária da União por negligência na fiscalização de contrato
  •  (19-10-2017) - TST - Papel timbrado de sindicato comprovou assistência sindical prestada a empregada
  •  (19-10-2017) - TST - Edital abre prazo para manifestações sobre estabilidade da gestante em contrato temporário
  •  (19-10-2017) - STJ - Juízo estadual é quem decide sobre necessidade de manter preso em penitenciária federal
  •  (19-10-2017) - STJ - Professores procuram no Judiciário soluções para problemas da carreira
  •  (18-10-2017) - TRF1 - Metade dos bens da esposa casada no regime de comunhão parcial de bens deve ser excluída
  •  (18-10-2017) - TRT10 anula atos processuais por falta de intimação de conversão dos autos para meio eletrônico
  •  (18-10-2017) - STJ - Processo de conversão de união estável em casamento também pode ser iniciado na Justiça
  •  (18-10-2017) - STJ - Idosa consegue o direito de administrar sua parte em conta conjunta bloqueada
  •  (18-10-2017) - STJ - Gravidez não justifica remarcação de teste físico em concurso público
  •  (18-10-2017) - TJPB - Parentes de quarto grau podem ser dependentes de titular de plano de saúde
  •  (18-10-2017) - Informativo STF
  •  (17-10-2017) - STJ - Sessões de psicoterapia que ultrapassam cobertura de plano de saúde devem ser custeadas
  •  (17-10-2017) - TJSC - Para 5ª Câmara Civil, dano moral é muito mais do que simples e mero dissabor
  •  (17-10-2017) - TJMT - Tribunal adéqua pena de motorista embriagado
  •  (17-10-2017) - TJMS - Proventos do trabalho pessoal não devem entrar na partilha de bens
  •  (17-10-2017) - TJDFT - E-mails críticos de ex-funcionário não geram danos morais a empresa
  •  (17-10-2017) - TJDFT - Banco é impedido de amortizar dívida com pensão alimentícia
  •  (17-10-2017) - TJAC - Mantida condenação de ente público a finalizar adequações em unidade de ensino
  •  (17-10-2017) - TRF1 - Menor de idade emancipado pode tomar posse em cargo público
  •  (17-10-2017) - Jurisprudência do STJ (Continuação)
  •  (17-10-2017) - Jurisprudência do STJ
  •  (16-10-2017) - Decisão do TJRJ
  •  (16-10-2017) - Mês da criança: CNJ na proteção de crianças e adolescentes
  •  (16-10-2017) - TJGO permite que preso seja beneficiado com remição de quatro dias da pena pela leitura de livro
  •  (16-10-2017) - TJGO - Juíza concede guarda compartilhada de menor para avó e mãe
  •  (16-10-2017) - TJDFT - Lei que determina aos cartórios incluir nome de corretor nas escrituras é inconstitucional
  •  (16-10-2017) - Ementário de Jurisprudência Cível Nº 26/2017 do TJRJ
  •  (11-10-2017) - Decisões do TJRJ
  •  (11-10-2017) - TJGO - Em sentença pioneira, posse de “chucho” incide em condenação criminal
  •  (11-10-2017) - CNJ Serviço: o que significam guarda, poder familiar e tutela
  •  (11-10-2017) - CNJ considera regular alvará de pagamento no nome da parte
  •  (11-10-2017) - Palavra do Presidente: Guerra fria
  •  (11-10-2017) - Felipe Santa Cruz destaca a importância da OAB de Niterói no cenário da advocacia nacional
  •  (11-10-2017) - Desembargador Marcos Cavalcante coordena seminário ‘Reforma Trabalhista’, no TRT-RJ, dias 26 e 27
  •  (11-10-2017) - TRF4 - Advogada pode usar uma única senha para protocolar o pedido de todos os seus clientes no INSS
  •  (11-10-2017) - TSE - Tribunal nega registro do partido Muda Brasil
  •  (11-10-2017) - TJAC - Justiça destitui poder familiar de pai biológico e concede a padrasto guarda de enteada
  •  (11-10-2017) - Empresa contratada sem licitação pelo Município de Sapucaia do Sul não tem direito à indenização
  •  (11-10-2017) - TRF1 - Candidata preterida na nomeação tem direito à remuneração retroativa
  •  (11-10-2017) - TRT21 - Empregado agredido por colega não consegue indenização por dano moral
  •  (11-10-2017) - Decisão do TJRJ
  •  (11-10-2017) - TJAC - Consumidor é obrigado a continuar pagando serviços odontológicos de ex-mulher
  •  (11-10-2017) - TRF1 - Registro em órgão de trânsito dos EUA não descaracteriza condição de novo para importação
  •  (11-10-2017) - TRT15 - Recuperação judicial não afasta a obrigação do empregador quitar verbas trabalhistas
  •  (11-10-2017) - TRF1 - Venda de imóvel por valor superior ao da adjudicação não configura prejuízo aos ex-mutuários
  •  (11-10-2017) - TRT10 - Anulada multa a empresa que deixou de cumprir cota para pessoas com deficiência
  •  (11-10-2017) - TST - Garçom que recebia apenas com gorjetas tem direito a piso salarial da categoria
  •  (11-10-2017) - STF - 1ª Turma: imunidade tributária de livros, jornais e periódicos não atinge maquinários e insumo
  •  (10-10-2017) - Presidente da OAB-RJ visita hoje presidente da Subseção Niterói
  •  (10-10-2017) - Juiz Willian Douglas fala sobre ‘A advocacia na crise’ durante palestra na OAB Niterói, dia 9
  •  (10-10-2017) - OAB Niterói participa de ‘Ação Cidadã’ dia 22 de outubro, no 3º Grupamento do Corpo de Bombeiros
  •  (10-10-2017) - TJRS - Nora é condenada por maus-tratos e apropriação do cartão da sogra
  •  (10-10-2017) - TJMT - Tribunal condena cliente que mentiu sobre dívida
  •  (10-10-2017) - TJES - Mantida sentença que condena cidadão por cuspir em motorista de ônibus
  •  (10-10-2017) - TJAC - Motociclista é condenado por infringir limites de velocidade
  •  (10-10-2017) - TJAC - Homem é condenado por agredir mulher ao buscar filho
  •  (10-10-2017) - TJAC - Homem deverá prestar serviço à comunidade por praticar maus-tratos contra animais
  •  (10-10-2017) - TRT4 - Viúva de porteiro morto em assalto deve receber indenização e pensão mensal
  •  (10-10-2017) - TST - Adolescente consegue indenização de estabilidade para gestante em contrato de aprendizagem
  •  (10-10-2017) - STJ - Tribunal determina retorno de processo ao tribunal de origem para aguardar decisão do STF
  •  (10-10-2017) - STJ - Determinada averbação de informações sobre união estável em certidão de óbito
  •  (10-10-2017) - STF - Disputa por propriedade de ilha do Rio Paraíba do Sul é remetida à Justiça Federal no RJ
  •  (10-10-2017) - Decisões do TJ
  •  (10-10-2017) - Presidente da Comissão OAB Mulher de Niterói paraninfa hoje turma de novo advogados e estagiários
  •  (09-10-2017) - TRF2 - Tribunal confirma extinção de execução fiscal baseada em título inexigível
  •  (09-10-2017) - TST - Testemunha que tem ação contra a mesma empresa não pode ser considerada suspeita sem prova
  •  (09-10-2017) - TST - Proprietário de cavalo de corrida é responsabilizado por acidente que matou jóquei
  •  (09-10-2017) - STF - Governador do Rio Grande do Norte pede reconhecimento da incidência de ICMS
  •  (09-10-2017) - TRF4 - Gestores municipais devem incluir CMS nas deliberações sobre aplicação de verba do SUS
  •  (09-10-2017) - TJDFT - VEP/DF decide que presos com identidade de gênero feminina não precisam cortar o cabelo
  •  (09-10-2017) - Decisão do TJRJ
  •  (09-10-2017) - Ementário de Jurisprudência Cível Nº 25/2017 do TJRJ