OAB Niterói online
Notícias
TRT13 - Empresa recorre, mas Justiça confirma indenizações

TRT13 - Empresa recorre, mas Justiça confirma indenizações


Uma trabalhadora, que foi dispensada sem justa causa, embora fosse portadora de estabilidade provisória, encontrava-se acometida de doença ocupacional, ganhou, na Justiça, o direito a indenização. Não satisfeita, a A&C Centro de Contato S/A entrou com embargos de declaração contra o acórdão proferido em sede de recurso ordinário.
 
A Primeira Turma de Julgamento do Tribunal do Trabalho da Paraíba, por unanimidade, acolheu parcialmente os embargos de declaração, para acrescentar os fundamentos relativos à estabilidade provisória, sem modificar a ação julgada. A empresa sustentou que a decisão analisou apenas a questão relativa ao dano moral, ficando totalmente omissa em relação à indenização decorrente da suposta estabilidade, tema que foi objeto do recurso.
 
Em análise da matéria, o relator do processo 0000742-57.2016.5.13.0008, desembargador Paulo Maia Filho, verificou que, a respeito da doença ocupacional, constar no acórdão embargado, ter o perito atestado a existência de concausa entre a patologia apresentada pela trabalhadora e a atividade dela em favor da empresa. No caso dos autos, o laudo pericial deixou bem claro que, embora a atividade desenvolvida pela reclamante não tenha sido fator determinante para o surgimento das patologias por ela apresentadas, contribuiu como concausa para o seu agravamento.
 
Ficou constatado, no laudo, que a trabalhadora era portadora de nódulos nas cordas vocais, causa da rouquidão, com nexo de causalidade com as atividades de telemarketing exercidas pela periciada e que ela estava incapacitada, de forma parcial e temporária, para as atividades que exercia na empresa, mas que poderia exercer outras atividades que não demandassem o uso da voz.
 
Com relação à estabilidade, o desembargador-relator citou o artigo 118 da Lei 8.213/1991, o qual estabelece ter o segurado, que sofreu acidente de trabalho, garantida, pelo prazo mínimo de doze meses, a manutenção do seu contrato de trabalho na empresa após a cassação do auxílio-doença acidentário, independente de percepção de auxílio-acidente.A mesma lei reconhece a concausa como evento equiparável ao acidente de trabalho, ao estabelecer que, equipararam-se também ao acidente de trabalho, para efeitos desta lei.
 
“Como já dito anteriormente, ficou comprovada a existência de nexo de concausalidade entre a doença adquirida pela reclamante e as atividades exercidas por ela na empresa e que, quando foi dispensada, encontrava-se acometida de doença ocupacional”, disse o desembargador-relator, destacando que, considerando o histórico da trabalhadora, bem como a conclusão do laudo pericial, fica garantida a estabilidade provisória no emprego.
 
O magistrado concluiu que, ultrapassado o período de estabilidade, é de ser mantida, pelos próprios fundamentos, a sentença que condenou a demandada ao pagamento de indenização substitutiva do período de estabilidade. “Acolho parcialmente os embargos de declaração, para acrescer ao acórdão embargado os fundamentos relativos à estabilidade provisória, sem conferir efeito modificativo ao julgado.

Fonte: TRT13



back

:: Mais Noticias
  •  (09-01-2018) - OAB Niterói assina nesta quinta-feira, dia 11, convênio com clínica médica para consultas a R$ 60
  •  (09-01-2018) - OAB Niterói realiza primeira entrega de carteiras a novos advogados e estagiários de Direito dia 11
  •  (19-12-2017) - Feliz Natal e um 2018 de alegrias!
  •  (19-12-2017) - OAB Niterói suspenderá rede de informação até 20 de janeiro, acompanhando as férias dos advogados
  •  (19-12-2017) - OAB Niterói estará em recesso de 20 de dezembro a 7 de janeiro para as festas de fim de ano
  •  (19-12-2017) - Turma de Direito da UFF de 1967 comemora Jubileu de Ouro de formatura no dia 19 de janeiro
  •  (18-12-2017) - TRT3 - Aumento jornada em readaptação acompanhada aumento salarial não representa alteração lesiva
  •  (18-12-2017) - STJ - Tribunal edita seis novas súmulas
  •  (18-12-2017) - STF - Tribunal inicia julgamento de ações sobre o novo Código Florestal
  •  (18-12-2017) - CJF - TNU cancela enunciado da Súmula nº 51
  •  (18-12-2017) - TNU - Certidão é essencial para contagem de tempo trabalhado
  •  (18-12-2017) - Ementário de Jurisprudência Cível Nº 32/2017 do TJRJ
  •  (15-12-2017) - STJ - Reconhecimento de união estável com pessoa casada não pode dispensar citação do cônjuge
  •  (15-12-2017) - STJ - Primeira Turma nega acesso de município a informações individualizadas colhidas pelo IBGE
  •  (15-12-2017) - TST - Empresa pagará equivalente a seguro-desemprego porque fez três cadastros de PIS de empregado
  •  (15-12-2017) - STJ - O sonho da maternidade às portas
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Insuficiência da penhora não é causa para a extinção dos embargos do devedor
  •  (14-12-2017) - TJAL - Nova lei facilita processo de adoção de crianças; saiba o que mudou
  •  (14-12-2017) - TRT13 - O direito e o Trabalho
  •  (14-12-2017) - CNJ: Modernizar cartórios é inadiável, diz Noronha aos corregedores
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Crédito tributário declarado e não honrado no seu vencimento pode ser inscrito imediatamente
  •  (14-12-2017) - TRF1 - Tribunal mantém sentença que afasta a Taxa de Saúde Suplementar
  •  (14-12-2017) - TJPB - Acusado de abandono material por falta de pagamento de pensão alimentícia tem apelo negado
  •  (14-12-2017) - Informativo STF