OAB Niterói online
Notícias
Artigo: Órfãos

 

Artigo


Órfãos


Por Frederico Sawabini


O significado de órfão é aquele que perdeu o pai e/ou a mãe


Segundo dados da Unicef, em 2005 o Brasil ocupava a nona posição dos países em desenvolvimento no mundo, com 3,7 milhões de órfãos de pai ou de mãe, sendo 150 mil que perderam a ambos.


Nos abrigos do Brasil para crianças e adolescentes, os órfãos representavam somente 5,2%, sendo os principais motivos dos abrigados a pobreza, violência doméstica, dependência química dos pais, entre outros. Uma criança órfã é um alvo fácil de adultos inescrupulosos, do tráfico e uso de drogas, da prostituição, de qualquer tipo de exploração infantil.


No sentido figurado órfão significa abandonado, desamparado. E aí esse conceito passa a ter uma extensão bem mais ampla.


Nesse caso, existem órfãos que vivem com os pais?


Lógico que sim, são os filhos de pais ausentes, mesmo dormindo sob o mesmo teto. Aqueles que não receberam uma educação de valores morais, podem ter tudo materialmente e até cursar as melhores escolas, mas lhes falta o cuidado, o limite, o acompanhamento, o carinho, o amor familiar. São potenciais candidatos à depressão, sem ter a sensação de pertencimento à sociedade, isolados e sozinhos, completamente perdidos e sem horizonte, por mais que possam sofrer uma dor silenciosa, um grito inaudível.


Os pais são tão importantes em nossa vida, que ainda hoje sinto a falta deles nos meus dias de chuva, quando preciso de um colo, um ouvido e uma palavra acolhedora, enfim um porto seguro nas tempestades. Mesmo que seus conselhos talvez não me alcançassem, saber que eles estariam ali para me abrigar, já seria mais do que suficiente para servir de alívio.


E os órfãos de filhos?


Os nossos idosos abandonados nas ruas, nos abrigos e clínicas, ou até mesmo dentro de nossas casas.


Por que temos tanta paciência em escutar nossos filhos repetirem dez vezes a mesma coisa, trocamos as fraldas, os auxiliamos nas quedas, rimos das pequenas coisas, das besteiras que falam e não temos metade dessa paciência com os nossos pais quando avançam na idade?


Que sentimento estranho é esse?


Afinal de contas, nossos pais dedicaram uma vida nos amando, enquanto nossos filhos pequenos ainda estão começando a conviver conosco, aprendendo e ensinando-nos a amar.


Reflitamos sobre o tema, sejamos bons filhos, sejamos bons pais, enfim, sejamos bons IRMAOS de todos os que atravessam o nosso ar e nunca os abandonemos, porque a vida nos devolve aquilo que oferecemos a ela.  


Frederico Sawabini é espirita


back